Brincando de casinha com um pedreiro bêbado

Desde mais novo, tenho uma prima com a qual sou muito apegado por conta de nossa criação praticamente junta e mesma faixa etária. Eu sempre soube que ela era uma piranhona e ela sempre soube que eu era um viadão. Nós nunca precisamos de contar isso um pro outro, porque já era evidente até em nossos círculos de amigos. Aos 18 anos, já havíamos mamado praticamente a maioria dos garotos aqui do nosso bairro, mas por completa ironia do destino, ainda éramos virgens. Os boyzinhos curtiam putaria, mas na hora de deixar a coisa mais séria metiam o pé, se satisfaziam só com as leitadas, até porque não queriam comer um viado e a gente procurava por alguém que se dispusesse a tirar nossos cabaços juntos, num ménage, o que era difícil. Além disso, também tinha o fato de que não conseguíamos nunca arranjar um lugar pra onde pudéssemos arrastar os caras, então era mais fácil mesmo ficar só na mamação, que rolava em qualquer canto. Pra compensar, nisso a gente mandava ver. Já tínhamos dividido várias rolas, cada um revezando um pouco no boquete, sem egoísmo ou ciúme. Éramos como uma dupla dinâmica.

A oportunidade de ouro surgiu quando meu pai, que é advogado, precisou de fazer uma viagem internacional a negócios e ficou algumas semanas fora, deixando a casa aos meus cuidados. Nos primeiros dias, foi como se nada tivesse mudado, porque eu tava em provas então só fiquei estudando. No final da primeira semana, ele depositou parte do dinheiro que havia recebido e me explicou por e-mail o que era pra fazer.

- Paga as contas, faz as compras só pra você e me avisa quanto sobrou. Vamos reformar os fundos, então vê com sua tia sobre o pedreiro que fez a cozinha dela.

Fiz tudo como o planejado e o avisei. Falei com minha tia e ela disse que mandaria o tal pedreiro lá pra fazer um orçamento. Eu e minha prima entramos de férias e estávamos na piscina de casa em plena segunda-feira de sol, quando escuto um assobio no portão. Só de sunga, fui ver quem era.

- Opa!

Abri e fiquei de queixo caído com o que vi. Não esperei que o tal pedreiro fosse daquele jeito. O cara era um coroa inteiraço, moreno de sol, com braços fortes que ficavam pra fora da camiseta surrada e suja, uma aparência de uns 30 e poucos, talvez uns 40 anos, mas um boné na cabeça. Sua pele tinha algumas marcas de cimento, como se tivesse interrompido o serviço só pra ir ali. A bermuda jeans rasgada e suja de óleo, graxa, evidenciando que ainda devia ser mecânico. As pernas grossas e peludas. Dois chinelos bem menores que seus enormes pés escuros e rígidos. Ele pôs uma mão bem veiuda sobre a testa pra enxergar melhor sob a luz do sol, me deixando com a visão dos fartos pelos do sovaco de fora, além de muito suor. No dedo anelar, uma aliança dourada e já desgastada.

- É o Oswaldo! Vim ver a obra que a Marli pediu!

- Ah sim, claro! Pode entrar!

Ele passou por mim e me esperou fechar o portão. Quando virei, fiquei com a impressão de que o safado tava manjando minha bunda na sunga azul. Eu sou magro e mais baixo que ele, mas tenho a bunda grande e bem empinada, então não deve ter olhado por mal. Ignorei.

- Pode vir, é aqui ó.

Levei o coroa aos fundos pelo corredor lateral da casa e, quando chegamos lá, ele não esperou encontrar minha prima. Pra completar, a safada ainda tava pegando sol de bruços numa canga que estendeu no gramado do quintal. Os enormes peitos estavam apertados contra o chão, acompanhados pela sinuosa e fina cintura da filha da puta, que acabava num biquíni completamente enterrado no rabão gordo dela, parecido com o meu. Ela ouviu nossa aproximação e tirou os óculos escuros, encarando o Oswaldo.

- Olá!

- Opa! Desculpa incomodar, viu?

- Ih, que nada moço, fica à vontade!

E sorriu pra ele.

- Vai uma cervejinha?

Ainda ofereceu.

- Nada, que isso! Vou voltar pro serviço já. Brigado!

Sua voz era grossa e tinha um pouco de sotaque nordestino. Ele ficou pouco tempo, pareceu com pressa de sair logo dali. Analisou tudo que precisaria de fazer por vários minutos, enquanto anotou tudo num papel, cada serviço e cada item com um pequeno valor que totalizaria a quantia a ser gasta.

- Vê com teu pai e qualquer coisa é só me ligar, garoto!

- Tranquilo. Obrigado, Seu Oswaldo!

- Nada, nada, tamo aí pra isso!

Assim que ele saiu, voltei correndo, porque sabia que a safada tinha pensado o mesmo que eu. E não deu outra.

- Viado, que macho é esse?

- Tu viu isso? Como eu nunca tinha visto isso!?

- Viado, vai ser ele! Vai ser esse daí! Tô sentindo!

- Tomara!

Passamos o resto da tarde bebendo e rindo de todas as situações inimagináveis que conseguimos bolar, pensando em como poderíamos convencer aquele homem bem mais velho a ser o primeiro a comer a bucetinha dela e também o primeiro caralho a me currar. O primeiro macho que ajudaria a tirar nossos cabaços.

Comuniquei meu pai sobre tudo e ele me deu autorização pra iniciar a obra. Liguei pro Seu Oswaldo na quarta-feira e disse que poderia vir quando estivesse livre.

- Então eu vou amanhã já, terminei um serviço aqui e posso ir. Tá bom?

- Tudo bem, Seu Oswaldo. Até amanhã então.

- Falou, garoto!

Assim que ele chegou, pegou uma parte do dinheiro e já foi comprar tudo que era necessário pra realizar a obra. Voltou pouco antes do almoço e já meteu a mão na massa. Enquanto isso, eu e minha prima ficamos ao redor da piscina, ora tomando banho, ora fofocando. Bebendo cerveja, ouvindo música e tentando manjar o safado sempre que possível. Muito esperta, vira e mexe ela deitava de bruços e com o rabão pra cima, o biquininho vermelho sempre muito socado no cuzão gordo e cheio, só pra chamar a atenção do pedreiro. No começo, ele sequer pareceu dar atenção, mas quando o peguei manjando diretamente a raba dela, ele logo arranjou uma desculpa pra vir interagir conosco.

- O, garoto?

E veio vindo na minha direção.

- Sabe se teu pai tem preferência de cor de azulejo?

- Tem não, pode usar qualquer um.

E ri. Ele ficou um pouco sem graça pela resposta rápida, mas voltou ao serviço e continuou olhando vez ou outra.

- Caralho, ele não para de olhar!

Sussurrei pra ela.

- Ele ainda não viu nada, então!

A gente riu. A tarde veio rápido e o dia chegou ao final.

- Posso tomar um banho nessa ducha aqui, garoto?

- Claro, Seu Oswaldo!

Ele tirou a bermuda e ficou só de sunga de praia, uma mania típica desses cafuçus trabalhadores de serviços pesados e braçais. Parece que ou estão sempre sem cueca, ou com sunga de praia por baixo. E que sunga era a dele, preta e bem pesada, maluda, e olha que preto emagrece. Se a safada da minha prima ficou se exibindo ao longo do dia, agora foi a vez daquele macho mais velho se exibir pra ela, enquanto eu só desfrutei como coadjuvante. De olhos fechados, ele ensaboou todo o corpo do lado de fora da água e não hesitou em enfiar o mãozão por dentro da sunga pra lavar o caralho grosso que devia ter entre as pernas, quase um jumento. Outra mãozada mais no fundo, agora pra limpar o suor das bolas peludas e enormes que ali repousavam, com todos os filhos guardados dentro, esperando a hora certa de maturar. Aquilo foi me excitando e serviu de combustível pra várias punhetas que toquei aquela noite.

No segundo dia, o Oswaldo chegou mais cedo e dessa vez trabalhou sem blusa, nos deixando com a completa visão de seu corpo pegando peso, forçando e marcando os músculos, se sujando de cimento e suando. Ele era do tipo que, assim que começava a suar, logo ficava com aquele cheiro forte e característico de macho, mas não era um odor ruim. O tipo de cheiro que entra pelas narinas e deixa a gente doido pra foder. Minha prima tornou a tomar sol de bruços e novamente ele voltou a olhar, mas agora mais sorridente e também interagindo mais vezes.

- Muito calor, né?

- Nem fala. Pode dar um mergulho se quiser, Seu Oswaldo!

- Pode mesmo?

- Mas é claro!

Outra vez ele tirou a bermuda e ficou só com a sunga que usou no dia anterior. Se lavou no chuveirão pra tirar o suor do corpo e mergulhou da ponta da piscina, vindo por baixo d'água até onde estávamos. Ao emergir, forçou outra vez o corpaço taludo de macho coroa, ou coroa macho, sendo que agora os pelos molhados estavam ainda mais irresistíveis. Pra completar, saiu e ficou de cara com a raba da minha prima, só que não ficou sem graça como antes, pelo contrário. Até riu pra mim por conta da situação.

- Ele riu, olha que safado, cara!

Sempre sussurrávamos entre nós, pra ele não acabar escutando. Pra nosso deleite, o coroa trabalhou o resto de dia só de sunga, vira e mexe enchendo o mãozão no volume de rola, dando aquela mascada gostosa, me deixando inebriado.

- Vai uma cerva, Seu Oswaldo?

- Vou não, valeu!

Na hora do almoço, chamei ele pra comer com a gente e ele veio pra cozinha, só observando enquanto colocávamos a mesa. De sunga, eu aproveitei pra me empinar em tudo que fiz, só pro safado olhar, mas ele quase nunca olhou, ou então o fez rapidamente, com medo de ser pego. Eu adorei aquela timidez, mas não passei disso. Minha prima teve que ir embora logo após a refeição e ele ainda ficou um tempo sentado à mesa enquanto eu lavei a louça. Imaginei o quanto ele não deveria estar me manjando agora que estávamos sozinhos e mais à vontade, mas ainda assim não o deixei perceber. Quando estava terminando de lavar alguns talheres, o safado veio por trás de mim e chegou mais próximo do que eu achei que deveria, só pra me entregar o próprio prato pra lavar.

- Valeu, moleque!

- Que isso, Seu Oswaldo! Descansa um pouco antes de voltar ao trampo!

Sentamos no sofá da sala e vimos um pouco de televisão. Logo ele retornou ao trabalho e as horas foram passando. Quando a noite caiu, o coroa tomou banho no chuveirão e, pra minha surpresa, deixou a sunga pendurada no varal do quintal pra secar. Esperei ir embora e corri pro meu quarto com aquela roupa, enfiando direto no nariz e fungando pra dentro de mim o odor maravilhoso de suor de macho maduro, o legítimo produto do esforço e do trabalho braçal de um homem como ele. Um néctar dos deuses. Colírio para os olhos e tesão pra minha carne. Um cheiro meio amargo, com um gosto meio salgado. Eu arrastei a língua bem onde imaginei que caíam as pequenas gotas de mijo provenientes das mijadas que o pedreiro dava ao longo do dia, ao mesmo tempo que soquei o punhetão mais intenso que já bati. Gozei com a sunga preta toda enfiada dentro da boca e das narinas, as pernas chegaram a tremer de tão intenso que bati. Assim que terminei, coloquei a peça de volta no lugar onde achei, fingindo que nada aconteceu.

No terceiro dia de serviço, minha prima não veio e ficamos só eu e o Seu Oswaldo. Ele chegou e vestiu a sunga com a qual me masturbei na noite anterior, e como sempre, isso já me excitou. Agora, o vi suspender caixas pesadas de azulejos e os sovacos virados na minha direção. As veias vinham das mãos até os braços, grossas, bombeando sangue suficiente pra dar disposição aquele macho viril e trabalhador. Fez isso tudo vestindo somente a mesmíssima sunga que há poucas horas estava dentro da minha boca, passando pela língua quente e úmida. Só de pensar que naquele exato momento os ovos e a rola daquele homem estavam em contato com o que secou da minha própria baba, eu fui às nuvens. E só o assisti trabalhando, talvez lhe dando a dúvida sobre o que tanto pensava em silêncio. Aí tive a melhor de todas as ideias: eu faria o papel da minha prima. Corri no meu quarto, procurei somente a parte de baixo do biquíni que ela usou, vesti e voltei em silêncio pro quintal. Forrei uma canga no gramado e deitei de bruços, como se tivesse pegando sol igual ela fez. O Seu Oswaldo não pareceu estar ali, então me empinei bastante pra surpreendê-lo ao chegar. Coloquei os óculos escuros e esperei, fingindo que dormia. Ouvi sua chegada pelo assobio, mas continuei imóvel. Ele parou de assobiar e eu abri só um pouquinho dos olhos pra ver o que aconteceu. Em total silêncio, o puto veio como quem não queria nada, segurando uma picareta que usou pra quebrar o cimento.

- O garota?

Chamou, me confundindo com minha prima, mesmo eu tendo cabelos curtos. Como não respondi, deve ter pensado que eu tava dormindo e foi parando devagar ao meu lado. Ficou avaliando meu corpo por algum tempo, com direito a mão no queixo e tudo. Deu um volta por um lado, depois pelo outro e deu algumas pegadas na própria mala. Pareceu urubu em carniça, esperando a melhor hora de dar um rasante e arrancar a carne à força. Tudo isso me excitou de uma tal forma, que achei melhor dar logo um limite pra não acabar fazendo tudo longe da minha prima. Sendo assim, comecei a me despreguiçar, fingindo que estava acordando, e o safado disfarçou e se afastou. Levantei em silêncio e me estiquei todo, ficando na pontinha dos pés e empinando a raba na direção dele.

- Ah, oi Seu Oswaldo. Mil desculpas, esqueci do senhor!

- Que isso, garoto? Eu tô aqui só trabalhando, pode continuar tomando seu sol do jeito que você achar melhor. Eu num tenho nada a ver com isso, não.

E voltou ao serviço. Não entendi se aquilo havia sido positivo ou não, mas não tornamos a nos falar até o final do dia.

Na quinta-feira, nem o pedreiro e nem minha prima vieram. Na sexta, ela apareceu e ele também. Contei a ela sobre o que ocorreu e o pensamento foi certeiro: não tinha mais como esperar. Não sabíamos bem como faríamos aquilo, mas faríamos. Fomos ao mercado depois do almoço e compramos algumas bebidas quentes, tipo vodka, cachaça, essas coisas. Trouxemos energético e suco e fizemos algumas misturas. Fomos pra piscina e lá estava Seu Oswaldo trabalhando sem camisa.

- Calor né?

- E muito!

E tirou a bermuda, ficando só de sunga como sempre. Muito esperta, minha prima começou a tirar a parte de cima do biquíni.

- O senhor se importa?

- Claro que não, garota. Fica à vontade!

Deu um sorrisinho e tirou, libertando os enormes e empinados seios. O pedreiro acompanhou o movimento de quicada deles, percebeu que o olhávamos e ficou super sem graça, disfarçando em seguida. Pra completar, ela ainda ofereceu bebida a ele.

- Vai, Seu Oswaldo?

- Vou não, obrigado!

Mas dessa vez não tinha escapatória.

- Poxa, por que o senhor nunca bebe com a gente? Não gosta?

Perguntei. Ele parou o serviço, apoiou a ferramenta no chão e começou a explicar, enquanto riu.

- Orra, eu bebo que só! Mas não gosto de ficar doidão enquanto trabalho!

A gente começou a rir e ele foi se soltando.

- E lá em casa o pessoal é da igreja, não gostam que eu beba.

- Nossa, que chatos!

Que prima abusada eu tinha. Mas o pedreiro caiu.

- É, eles são! Ninguém bebe. Ai eu evito pra não ter falação.

- Ah, mas aqui é outra casa, Seu Oswaldo. Aqui pode tudo! - falei.

Ele arregalou os olhos e percebeu que eu também tava de biquíni.

- É, eu já percebi!

Nós gargalhamos de rir, caindo todos no mesmo clima de descontração.

- O senhor bebe o que, cachaça?

- Oxi, posso nem ver!

Virei vodka pura num copo pra ele e o chamei.

- Vem beber com a gente, não faz mal. É sexta, a obra não vai acabar hoje mesmo!

Um pouco hesitante, ele cedeu e veio buscar o copo, um sorriso animado no rosto. Sentou-se numa cadeira reclinável perto da gente e foi bebericando, ainda observando os seios da minha prima. Quanto mais virou a bebida, mais vermelho ficou, assim como mais solto. Chegou a um ponto onde o coroa tava explicitamente vidradão nas mamas enormes dela, sem qualquer pudor de manjá-las.

- Gostou?

Ela perguntou. Ainda meio tímido, ele fez que sim com a cabeça.

- São grandes, né?

- São sim!

- Pode tocar, se quiser.

E sorriu pra ele, virando de peitos abertos em sua direção. O puto nem esperou, só encheu as mãos firmes nos peitões dela e começou a massageá-los como pôde, ora esfregando os mamilos entre os dedos, ora com as palmas grossas de macho trabalhador. Fui por trás dela e também comecei a massageá-la com as mãos, sendo que as minhas encontraram com as dele nesse processo e eu já fiquei excitado por sentir o calejar presente nelas, rígidas, quentes e veiudas. Quando isso aconteceu, o puto recuou um pouco, como se não tivesse acostumado.

- Não para!

Ela falou.

- Sei não, viu. Lá em casa a gente não faz esse tipo de coisa!

- Que nada, Seu Oswaldo!

Tornei a falar.

- Essa aqui é a nossa casa e a gente tá convidando o senhor pra brincar conosco!

Ele parou e pensou um pouco. Aproveitei pra pôr mais vodka no copo dele e o puto virou tudo de uma vez. Botei mais.

- Brincar de casinha com essa idade?

A gente riu. Pra não dar muito tempo de pensar, eu mesmo peguei suas mãos e coloquei de volta nos seios dela. Dessa vez ele não recusou, só continuou massageando e apertando cada vez mais o peitões, mesmo que fosse sob minhas mãos, um pouco mais à vontade, talvez por efeito do álcool.

- Então eu sou o pai. Quem vai ser a mãe?

Eu e ela nos olhamos e rimos, sendo que ela levantou a mão primeiro.

- Vamo fazer que nem pai e mãe, então!

O safado tava entrando no clima. Pegou minha prima pela mão e a colocou sentada em seu colo, virada de frente pra ele. Sem qualquer pudor, posicionou as mãos sobre as nádegas, por trás, e começou a abri-las enquanto enfiou a língua na boca dela, numa troca intensa e bruta de beijos e lambeção. Eu só assisti, vendo como um pedreiro foi de bobinho a tarado em menos de um segundo de putaria, me saciando com a exploração que as mãos fortes, experientes e calejadas dele fizeram por entre o corpo novo e juvenil dela. Não demorou muito e uma delas já estava por dentro da parte de baixo do biquíni, massageando o grelo e arrancando vários gemidos abafados pelo beijo.

- Hmmmm!!

Vez ou outra, a euforia da bebida e do tesão o dominaram e o cara pareceu perdido, não sabendo onde explorar primeiro, como se há muito tempo não tivesse tido uma oportunidade daquelas de foder ou então estivesse com muita coisa ao mesmo tempo para fazer. Chegou ao ponto de abrir a bunda da cachorra, brincar com o dedinho na porta da boceta e tirar pra apertar novamente os peitos, que foi quando nossas mãos se encontraram. Enquanto ambos estavam perdidos pelo contato, eu fui descendo e alisando o corpo dele, o safado nem aí. Mexi em seu peitoral, desci pelos pêlos do umbigo e, com cuidado, fui botando aquela vara meia bomba pra fora. Era do tipo mais grossa do que cumprida, morena, da cabeça meio roxa e bem sacuda, com dois ovões bem formados e peludos. Ele percebeu que era eu e, sem parar de se atracar com ela, sutilmente tirou minha mão da rola, mas eu ainda não havia desistido. Aproveitou o serviço que fiz e já foi atolando o caralho sem camisinha na porta da bocetinha virgem dela. Cadela como era, minha prima só se arreganhou e permitiu que ele fosse entrando devagar, ainda trocando beijos e tendo os seios explorados. O cafuçu não quis nem ser mamado, de repente não era acostumado com isso na própria casa, então só foi adiantando o trabalho e enfiando. Quando sentiu que tava todo dentro, inclinou-se um pouco pra trás, agarrou a bunda dela pra cima de si e foi mexendo o quadril num ritmo acelerado e desordenado, dando estocadas profundas e intensas.

- HMMMMM!! SSSS!

Eu vi cada tranco que ele deu nela e fiquei com o cu piscando de tanto tesão, doido pra sentir aquilo me alargando, mas precisava de ser muito paciente pra conseguir realizar meu desejo. Após cada solavanco, vinha o gemido da safada, que virava os olhos e se segurava na nuca dele. O pedreiro, por sua vez, fodendo que nem bicho, estocando firme com o quadril. O meu palpite de que ele não fazia aquilo sempre se confirmou quando, em menos de três minutos, anunciou o gozo.

- Vou leitar essa xereca todinha!

- Leita, caralho! Seu filho da puta!

Mas não fez diferença, a putinha só continuou gemendo e se jogou por completa sobre ele, deitando em seu corpo e com o rabão pro alto, entrando vara direto pra dentro da bocetinha recém-deflorada. O puto enfiou os dedos na carne da bunda dela e eu pude ver a corrente intensa de leite que passou pela uretra e explodiu lá dentro.

- Hmmmm!!

- Piranha da porra!

E encheu a bunda dela de tapas e mais apertões, conduzindo o ritmo pós-orgasmo do quadril sobre si, uma vez que a própria estava exausta. Ficaram assim por alguns minutos e nada da rola escapulir da boceta. Foi aí que minha prima caiu pro lado morta e saiu de cima dele, me dando a visão daquela caralha suja de gala, mas completamente ereta, quase intocada, onipotente. O peão ainda tava de pau duraço, olha que maravilha! Ele esperou um pouco e começou a alisar a bunda dela. Avançou um pouco e deu de cutucar o cuzinho de leve, ela ainda destruída pelo primeiro esforço sexual que fez com a pepeca. Sem mais nem menos, suspendeu a bunda dela e a colocou em cima de si, numa tentativa de comer o cu. O peão não era tão bobo quanto pensamos. Foi só minha prima sentir a cabeça pedindo pra passar pelas pregas que tremeu e correu do segundo round.

- Aí não, vamo com calma!

- Ué, tu não queria brincar de casinha? Agora tem que ser minha mulherzinha! Senta aqui!

E deu dois tapinhas na coxa grossa, peluda e russa de obra. Mas muito decidida, minha prima deitou na canga perto de mim e falou.

- Essa parte eu deixo pra amante fazer!

E me olhou sorridente.

- E a amante sou eu!

Levantei a mão animado e sorri, ficando de pé todo empinadinho e dando uma voltinha pro Seu Oswaldo avaliar melhor meu corpo, como se não houvesse feito anteriormente sem querer, pensando que era minha prima.

- Mas tu é um garoto, não é? Tu não tem bocetinha que nem ela!

A gente riu e eu virei com a bunda pra ele. Agachei a parte superior do corpo até quase o chão, como se fosse pegar alguma coisa, e afastei o biquininho na intenção de mostrar o cuzinho.

- Não tenho bocetinha, mas tenho outra coisa que sei que você gosta. É a cucetinha!

Praquele cafuçu ali, não tinha mesmo tempo ruim e nem meio termo. Ele não queria saber de mamada, de repente não tava nem acostumado a ter alguém que quisesse chupá-lo. Eu mal me abaixei e o tarado já veio com ambas as mãos na raba, cada uma num lado e abrindo com força, pra deixar só o buraquinho do meu cu destacado de todo o resto, bem exposto. Sabendo da possibilidade de ter putaria, eu já me raspei e estava lisinho, pronto pra ser deflorado. Senti a pressão das mãos abaixando minha cintura em direção aquele caralho e a próxima coisa que senti depois já foi a cabeça atolada na entrada, em contato com as pregas e pedindo passagem. O safado tava com a mão na vara, guiando a direção certa da porta do meu cu, e ainda por cima subindo o próprio quadril porque não conseguiu esperar e precisava se aliviar o quanto antes, como se não tivesse enchido a boceta da minha prima de leite minutos atrás. Ainda com a cara de duvida sobre o que estava prestes a fazer, mas a glande já namorando as pregas.

- Tu é um safado mesmo, né?

- Tu que me oferece cu e me chama de safado quando eu aceito?

Um legítimo puto pra dizer isso. Eu relaxei ao máximo que pude, mas nada da cabeça passar. Vendo que estava difícil e que nós já suávamos pelas tentativas dele me currar a qualquer custo, o peão desatolou o pau do meu buraco semi-frouxo, deu um cuspidão bem na cabeça e tornou a encaixá-la, ganhando agora mais lubrificação pra passar e trancar meu cu de vez.

- Hmmm! Seu filho da puta! Vai botando!

Lentamente e sem recuar, ele aproveitou a passagem e foi deslizando o restante pra dentro, me dando uma sensação de total preenchimento. Foi uma coisa nova e muito gostosa, que me deu vontade de continuar ali, colocando e tirando a vara o dia todo, por mais que doesse um pouco. O que senti depois disso foi o saco batendo na porta, como se pedisse passagem também. Antes mesmo de me acostumar, o puto fez comigo o que fez com a cadela da minha prima, que nos observava deitada na canga. Não teve tempo, o caralho entrou e já saiu pra entrar de novo dentro de mim, me tomando, me alargando, arregaçando. A elasticidade das pregas do meu cu começou a ser testada e usada pelo prepúcio da caralha duro dele, que arrastava com tudo todo o meu interior quente e apertado. Não houve ritmo, só uma necessidade enorme de me encher de leite.

- Não para, não para! SSSSSS

Ele me animou e apertou minha bunda e a cintura bem firme com as mãos, a ponto de fincar os dedos e marcar a carne, só pra se sentir no controle completo do quadril e me manter quicando como um putinho em cima de seu caralho grosso. O atrito era tão gostoso e intenso que eu pude sentir as veias do sendo comprimidas pelo diâmetro do meu cuzinho ex-virgem, só pra poder caber lá dentro. Eu também consegui sentir o sangue passando por cada parte da vara, nutrindo-a de desejo e força pra continuar me alargando, me explorando, me deflorando sexualmente.

- Fode! Isso!

Ele me deu tapas na cara e na carne da bunda, num frenesi absoluto pra estourar meu cu a qualquer momento, empurrando com tudo meu corpo pra frente. Eu suei e arfei de tanto esforço e tesão, completamente dominado por aquele peão de obras safado e com fome de cuzinho.

- Vou encher esse rabão de leite, caralho!

- É pra encher mesmo, pode socar tudo!

- E vou socar mesmo!

E um tabefão no rosto pra me situar. Senti a vara tomando cada vez mais espaço, como se fosse realmente crescer e me rasgar por dentro, não entendi o que estava acontecendo. Ele apertou minha bunda ainda mais forte, me machucando de uma maneira promíscua e meio doentia, viciosa, mas eu tava total entregue aos prazeres da carne, então foi tudo no ponto certo. Chegou num tal momento onde o ritmo fora rápido e não houve mais pra onde a piroca crescer. Aí veio a mesma explosão que vi acontecer na boceta da minha prima.

- Arrrrhhh! Hmmm!

Ele parou de se mover e só deixou que a caceta encharcasse minha raba de porra quente de macho suado e cansado. Largou de mim e deixou o corpo morrer exausto na cadeira de praia, eu ainda por cima dele e com a tora estocada no cu. Estava morto e saciado. Permaneci assim até senti-la escapulir e trazer parte do leite depositado. Depois disso, caí pro lado e peguei no sono. Acordei com minha prima me chamando poucas horas depois. O Seu Oswaldo fora embora e ela também adormeceu.

Depois desse dia, transar após o expediente dele virou um hábito em nossas mãos. Uma semana depois disso, minha prima arranjou um ficante e nosso contato diminuiu, porque obviamente a cachorra preferiu ficar em casa metendo com o novo macho. E isso foi até bom, porque sobrou mais pedreiro cafuçu pra mim.

- Cadê a garota, moleque?

- Hoje ela não vem!

- Orra, tava doido pra comer aquela bocetinha de novo!

Eu tomei sol de biquíni e o vi trabalhar. Depois de alguns poucos minutos ele veio, com a mão descontrolada alisando a vara por baixo da bermuda surrada..

- E essa cucetinha aí, como que tá?

Perguntou e já cutucou a entrada do meu cuzinho por cima do tecido com o dedão grosso. Eu adorei o jeito obsceno e dominador dele.

- Tá só te esperando!

Ao todo, a obra durou um mês e meio, e durante todo esse tempo eu e Seu Oswaldo transamos quase que diariamente. Em determinados dias, a gente meteu diversas vezes e ele quase não conseguiu adiantar o trabalho, por isso tanto tempo pra terminar uma simples reforma. Chegamos a gravar alguns vídeos pra ele ter no celular, porque segundo o próprio, às vezes batia tesão e não tinha ninguém pra ajudá-lo a aliviar, e aí apelava pra punheta, mas isso não durou muito tempo. Mostrei pra ele como se chupava uma rola com amor e carinho e ele também viciou em boquete. Mesmo depois que finalizou o serviço aqui em casa, vez ou outra eu escutei o assobio do pedreiro no meu portão, porque o puto tinha saído de alguma obra perto só porque tava com tesão e queria dar uma galada. Às vezes ele já vinha de pau duro pelo caminho, chegando ao ponto de me ajoelhar no portão mesmo e me botar pra mamar do lado de dentro. Isso foi algo que aprendi com ele: leite tem que ser sempre bem guardado, ou na boca, ou no cu, nunca jogado fora. Ele continua casado, fazendo obras e tarado em cuzinho como sempre. Se você encontrá-lo por aí e não souber o que fazer, é facil: chama esse cafuçu pra brincar de casinha que ele se amarra em ser o macho comedor.

__________________________________________________________

+ WATTPAD: http://goo.gl/e6UDqd

+ twitter: @andmarvin_

+ e-mail: [email protected]

Comentários

Comente!

  • Desejo receber um e-mail quando um novo comentario for feito neste conto.
04/12/2017 15:36:17
Nossa, que delícia de suruba. Adoraria trepar com vocês três.
06/07/2017 23:32:28
Gozei
29/06/2017 23:01:06
Tesão!
23/06/2017 17:03:14
Muito bom
23/06/2017 17:03:02
Muito bom!
23/06/2017 13:55:50
Ótimo conto
23/06/2017 10:20:46
bom esse conto

Online porn video at mobile phone


meu cuzinho amanheceu melado e doendo contos gayboquete da primapatricinha lindaporbodoido dudendo com o pedreiroconto erotico bandido queria a bunda da minha esposaxvideo pai comedo subria biba pequena novinhaxvidiosexopornowww.mulheres dando o chiri é o cu sem pena zap .com xvideosrelato meu enteado me comeu gostosoBuceta de egua agoentando pintao noxvidionao agi pau gg violento pornodoidover contos eroticos de peao comendo o cu de empresarioContos. Desde pequena ja pegava no pau do meu tio..cabocla tarada e safadax porno velho fedeno nefinha novinha amadoracontos eroticos dei para um vizinho de iptingacontoerotico namorada e mae putas do tio jorgecontos eroticos insestos família unida papai mamãe e meu irmaominha cunhada casada muito linda e gostosa com uma bucetinha cabelinho baixinho videos porno pau gigante.na.bucetinha apertada deu emoragiaconto erótico esfolei o cu e a buceta dela com raivaconto erotico tive pelada varios cachorroXIV filme pornô transando com toalhainsetovidio mae efilho coroasxvideos rolas chapuletadassogra gostosa de cabelos crespos fudendo com amigo do genroestuprado por travestis contoerotico.comconto levando minha filhinha no ginecologistawww.casadoscontos.com.br.texto-o doce nas suas veias (Capitulo 6)conto erotico mae e filho parte 5contos de sexo depilando a sogracontos estrupada por agiota minha filhamelhores vídeos porno de primos que reduziram seus primosvideos de porno doido com coisas indessemtexvdnovinhas safadinhas dando para o dotado xvideosmeninas saido do chuveiroconto erotico gay "aprendi"coisa bramca bem groso saindo da nuceta sai so quando coloco o dedovideo pornodoid homem esferga em tremmelher loura dador abuceta e coza muito xvideoguilherme pausudovideo. caseiro. de. sexo. mulher. covida. omarido. pra ir. na. casa. duma. amiga. muito. gostosa. ela. provoca. omarido. da. amiga. e. rola. sexo. com. os tres. gratisSou a cadelinha do cão labrador contoscunhado comendo sua cunhada gostosa de calcinha fio-dental e bigodinho da periquitaX video comendo ninazinha menor 18pono cario,caconto eroticomulher fazendo vídeo pornô na gritalhadaarregasado a buceta com muita velocidadepassando a mao no peitoral beijando o ouvido beijando o pescoco pornfavelada com ancas larga sendo fudidaBaixar em xvideo dopei minha irma gostosa de mini sainha na cosinhawww.xvideod.com estourando o cu da filha des malhada e gritando muito de dro no cudepilando a minha tia gravida contos eroticosrubiaebeto.comunidades.net/cavalasnora safadas descobri que sogro tem a pica enormeporno. meu. filio. viu. minha. bucetacontos eróticos meninas de 25 anos transando com sua calcinha preta com lacinho vermelhodois paus no cu do viadopornodoidoSexo real moca falando olha isso seu pau muinto grosso aiai filme porno no iotube com mae e filia transando junto gratisfoi ajudar a irma estudar e pediu o cu como pagamentocontos eroticos de incesto eu minha irmacontos eróticos menina de 25 anos transando com cachorro com calcinha preta com lacinho vermelhoporno antigo novinha putinha de calçase esfregando escondida no pau do namorado da maexvideosdificil pra vc lukaconto xota formigando paiminha mulher tatuou a dama de espadas na bunda contos eroticos#contos eroticos sozinhasessentona gostisa peluda pediupra gizar dentro duas vezes sem tirartecido brilhoso pornPrima bisexual menage contos eroticoscontos lesbicos e penitencia no conventoconto gay barraca armadamomento de carinho dando mordidinhas na nuca e desce lambendo as costas até chegar no cuzinhoirazinha pega no meu pau sarecha mulher e amante apertalas bolas porno